Tuesday, November 06, 2007

O Papalagui

O Papalagui


O Papalagui é um dos livros mais “essenciais” que já tive a oportunidade de conhecer e descobrir.

Nas reflexões do chefe Tuiavii um dos mais cativantes testemunhos desse(s) profundo(s) paradoxo(s) que constitui a nossa cultura tecnocêntrica “ocidental”, profundamente “afastada” da Natureza e da mais primordial simplicidade da Vida e do viver.

Um livro absolutamente “obrigatório” e extremamente cativante que se lê (ao contrário talvez do que se deve) num ténue sopro de tempo.

E a propósito de tempo ...


Pretendem alguns Papalaguis que nunca têm tempo. Correm desvairados de um lado para o outro como se estivessem possuídos pelo aitu* e causam terror e desgraça onde quer que cheguem, só porque perderam o seu tempo. Este estado de frenesi e demência é uma coisa terrível, uma doença que nenhum homem de medicina pode curar, doença que atinge muitos homens e que os leva à desgraça.”


O Papalagui

Autor: Tuiavii,

Editora: Antígona

Idioma: Português

Páginas: 74

Titulo Original: Der Papalagi

Tradutor: Liiza Neto Jorge


http://www.citador.pt/biblio.php?op=21&book_id=472



Observações:


Papalagui - assim os samoanos chamam aos brancos, e assim Erich Sheurmann chamou à crítica da civilização ocidental posta na boca do chefe samoano Tuiavii que registou um êxito editorial estrondoso. Seduzindo milhares de leitores, tornou-se um autêntico best-seller e livro de cabeceira de certa cena dita alternativa, sobretudo no seu país de origem. Publicado em 1920, na Alemanha, o livro encontrou os primeiros leitores num país ainda ávido de matar saudades do arquipélago de Samoa, cuja parte ocidental tinha sido uma colónia alemã antes de ficar sob a tutela da Nova Zelândia nesse mesmo ano de 1920, até adquirir a independência de 1962.

O Papalagui não pode ser visto isoladamente. Insere-se numa tradição literária secular e numa mitologia de vigor excepcional : o sonho do paraíso terrestre. Este sonho fixa-se no século XVII nos mares do Sul que começam então a ser explorados sistematicamente. Tudo ali se procura, naquelas regiões longínquas do Pacífico: um clima feliz, uma natureza generosa onde sobrevive o 'bom selvagem' de Rousseau, inocente e nu, libertado das pressões do dia-a-dia e sem necessidade de trabalhar.


1 comment:

pedro jorge said...

Data: Tue, 13 Nov 2007 01:02:29 -0000
Assunto: Re: [GAIA-geral] O Papalagui
De: "Carlos Melo"

OLá PEdro,
O Papalagui fez as delícias da m/ geração e pelos vistos continua a
encantar e fazer
reflectir...
Abraço
Carlos